Programa Guaritas fiscaliza transporte de produtos de origem animal e vegetal na divisa com SC

Quem transitar entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina e for abordado pelas equipes do programa Guaritas vai receber um folheto explicativo. No material, são apresentadas informações sobre a ação e de que forma contribui para a segurança da saúde da população, dos rebanhos e do agronegócio gaúcho.

O programa Guaritas é uma parceria da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) com as forças de segurança e tem o apoio do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa-RS). O objetivo é fazer abordagens em veículos que possam estar transportando produtos de origem animal e vegetal, além de animais e insumos, de forma irregular. O programa atua em mais de 500 quilômetros de extensão, abrangendo 97 municípios na divisa entre os dois Estados.

O chefe do Departamento de Controle e Informações Sanitárias da Seapdr, Francisco Lopes, explica que a distribuição do folheto tem a finalidade de esclarecer o porquê da fiscalização. “Para quem está dentro das normas, não há nenhum aborrecimento. Nosso objetivo é surpreender os mal-intencionados, que usam rotas alternativas para o transporte ilegal”, afirma.

O Fundesa investiu quase R$ 90 mil para a aquisição de kits de barreiras móveis e equipamentos de segurança. A ação faz parte das medidas adotadas em reforço à vigilância agropecuária com foco no avanço de status sanitário do Estado.

O programa recebeu este nome porque a fiscalização vai das guaritas de Torres até a Barra do Guarita. Foi inspirado no programa Sentinela, que tem a área de abrangência na fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai e a Argentina.

Fundo criado pelas cadeias de produção e genética da avicultura, suinocultura, pecuária de corte e pecuária de leite, o Fundesa tem a finalidade complementar ações de desenvolvimento e defesa sanitária animal no Estado.

• Clique aqui e acesse pdf do folheto distribuído para explicar o projeto Guaritas.

Fonte: Seapdr/Secom